PESQUISA AVANÇADA E EXCLUSIVA DO GOOGLE

terça-feira

Parlamento francês rejeita legalização do casamento gay

Parlamentares franceses rejeitaram hoje uma lei apresentada pelo oposicionista Partido Socialista para legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo, apesar do crescente apoio popular aos direitos dos homossexuais no país.

A votação refletiu a oposição ao casamento gay entre os conservadores do governo do presidente Nicolas Sarkozy. Também é uma mostra da marca dos valores tradicionais que ainda vigoram em muitas partes da França, longe dos bares onde os gays são bem-vindos e dos bairros descolados de Paris.

A Assembleia Nacional, Câmara Baixa do Parlamento, rejeitou a medida por 293 votos a 222. A oposição foi liderada pela União por um Movimento Popular (UMP), de Sarkozy, enquanto o Partido Socialista e outras siglas de esquerda defendiam a mudança.

Os partidários da medida afirmam que a França está para trás na questão dos direitos dos homossexuais, após países próximos como Espanha, Bélgica e Holanda legalizarem o casamento gay. Mais cedo neste ano, o principal tribunal francês decidiu que as leis impedindo o casamento entre homossexuais não violavam a Constituição. A Corte Constitucional afirmou que qualquer mudança sobre o tema caberia ao Parlamento.

Na França, os casais do mesmo sexo podem formar uniões civis, porém estas não garantem o direito de herança ou a posse conjunta de bens, entre outras coisas. Os grupos pelos direitos dos gays da França afirmam que seus esforços estão gerando progressos, creditando essas vitórias à cobertura da imprensa e a modelos como o prefeito de Paris, Bertrand Delanoe, que se assumiu como homossexual há alguns anos.

Uma pesquisa publicada em janeiro pelo Canal Plus TV concluiu que 58% dos entrevistados acreditam que os gays devem ter o direito de se casar. Há cinco anos, esse número era de 43%. Não foi informada a margem de erro da sondagem. As informações são da Associated Press.