PESQUISA AVANÇADA E EXCLUSIVA DO GOOGLE

quarta-feira

Forças policiais se unem para combater crimes na fronteira em MS

A partir de agora, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Força Nacional de Segurança e as Forças Armadas vão trabalhar juntas para combater a criminalidade na região de fronteira. A determinação é do Plano Nacional de Segurança que foi lançado nesta quarta-feira (8), em Brasília.
O novo plano vai integrar o trabalho dos Ministérios da Justiça e Defesa na execução de duas grandes operações na fronteira do Brasil. Uma delas de caráter mais permanente, que já está sendo feita desde o ano passado, é a Operação Sentinela, que conta com o apoio das forças armadas. A outra, chamada de Operação Ágata, vai ser concentrada em cinco pontos estratégicos, não divulgados por questão de segurança.
O governo reconheceu a fragilidade da fiscalização nos mais de 16 mil quilômetros de fronteiras com nove países da América Latina. Esta área representa 27% do território nacional.
“É importante observar que o tráfico é de drogas, armas e pessoas. Três pontos que não são uma preocupação exclusivamente brasileira, e sim internacional”, revela José Eduardo Cardozo, ministro da Justiça.
“Que não haja por parte do governo, nenhum processo de omissão, para dar suporte à essa ação conjunta do Ministério da Justiça e Ministério de Defesa”, diz a presidente do Brasil, Dilma Roussef.
Apesar da boa vontade política, as autoridades do Palácio do Planalto não deixaram claros os principais números do novo programa. A informação é que o efetivo na região de fronteira deve crescer 100%, mas não se sabe exatamente quantos homens serão enviados e nem para onde.
Fronteiras em MS
Os dados mostram que Mato Grosso do Sul é uma das principais portas de entrada para organizações criminosas que atuam no Brasil. Somente este ano, já foram apreendidas três toneladas de contrabando vindos do Paraguai e da Bolívia. As estimativas oficiais apontam que pelo menos o triplo deve ter atravessado livremente a fronteira.
Dados da Polícia Federal também apontam que, de maio de 2010 até maio de 2011, foram apreendidas 14 toneladas de drogas no estado.