PESQUISA AVANÇADA E EXCLUSIVA DO GOOGLE

sábado

Brasileiros evitam provocações à Argentina e tiram lição de tropeço

O empate por 1 a 1 entre Argentina e Bolívia, na última sexta-feira, serviu como alerta para o Brasil na Copa América. Segundo os jogadores, o resultado surpreendente mostra que no futebol todos os adversários precisam ser respeitados e não há clima de favoritismo no grupo para o duelo contra a Venezuela, neste domingo, às 16h (de Brasília), no Estádio Ciudad La Plata.

"Este é um exemplo (o empate com a Argentina) de que a competição será difícil, como todas as outras foram. Ninguém quer ser derrotado na primeira partida de um competição curta. O Brasil tem que olhar para o próprio futebol e começar bem", disse o lateral direito Maicon.

Os brasileiros também se controlaram para evitar provocações aos argentinos. Questionados repetidas vezes sobre o desempenho de Messi e da seleção comandada por Sergio Batista, os jogadores prefeririam respostas padrão a alimentar uma rivalidade já naturalmente grande.

"Atuação individual não entra em questão, não é do meu feitio dirigir críticas ou elogios. Não existe nenhum time bobo, a Bolívia mostrou conjunto e conseguiu segurar a Argentina. Todos têm que estar de olhos bem abertos", afirmou o capitão Lúcio.

Até por conhecer Lionel Messi do Barcelona, Daniel Alves teve que responder ainda a mais perguntas sobre o tema. E deixou a opinião de que a seleção argentina é inferior ao clube catalão, o que pode explicar a sua queda de rendimento com a camisa azul e branca.

"São jogadores diferentes nas duas equipes. Impossível o Messi ser igual ao do Barcelona porque os companheiros são diferentes. O Messi é argentino e eu só posso me preocupar com o rendimento do Messi no Barcelona", disse, sem dar margem a polêmicas.

Na última pergunta do dia, Daniel Alves também mostrou jogo de cintura. Foi questionado sobre o gol do brasileiro Edivaldo Rojas a favor da Bolívia e desviou o assunto. "Para a seleção deles, eles devem estar felizes. Não temos que nos preocupar com isso. Não vou ficar contente, os bolivianos é que têm que estar contente", finalizou.